No Dia Mundial da Reciclagem, ANCAT participa de Webinar da Recicla Latas

No evento, presidente da ANCAT apontou os desafios dos catadores diante dos novos decretos sobre a gestão de resíduos no Brasil.

Movimento
Publicado em:
19/5/2022
Baixe o documento aqui

No último 17 de maio, a ANCAT - Associação Nacional de catadores e Catadoras de Materiais Recicláveis foi uma das convidadas do webinar "Dia Mundial da Reciclagem", organizado pela Recicla Latas, entidade dos fabricantes e empresas recicladoras de latas de alumínio no Brasil, como foco no aperfeiçoamento da logística reversa do setor.

 

Ao lado de Roberto Rocha, catador e presidente da ANCAT, o evento contou com Eunice Lima, presidente da Recicla Latas e diretora da Novelis (empresa produtora e recicladora de alumínio), Alfredo Veiga, vice presidente de compras da Novelis, Renato Paquet, secretário executivo do Recicla Latas e CEO da Pólen, startup de gerenciamento de resíduos, e Maurícia Furlani, promotora de justiçado Estado do Ceará.

 

Transmitido ao vivo pelo canal do Youtube do Recicla Latas (Assista aqui), o webinar tratou sobre diversos temas. Entre eles, o sucesso da reciclagem de latas de alumínio no Brasil, que é líder mundial no processo, com mais 98% das embalagens recuperadas e devolvidas à cadeia produtiva. Iniciativas de fomento à logística reversa e as novas legislações instituídas pelo governo federal sobre a área de gestão de resíduos, que regulam a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) também estiveram na mesa de debate.

 

Em sua apresentação, além de mostrar números e resultados de trabalhos executados pela ANCAT através dos anos, Rocha destacou pontos de atenção sobre os decretos 11.043 e 11.044, aprovados recentemente, que impactam diretamente no trabalho dos catadores.

 

"A questão da exigência do MTR (Manifesto deTransporte de Resíduos) é importante, pois fala sobre a rastreabilidade dos materiais. Mas é preciso saber como os catadores serão capacitados e apoiados financeiramente para se adequarem a este novo modelo e efetuarem o próprio MTR", afirmou o presidente da ANCAT, que também cobrou a necessidade de que o MTR emitido pelo catador seja comprovado tanto pela indústria, mas também pelos aparistas, já que boa parte da categoria negocia diretamente com essas empresas e não com a indústria. No gerenciamento do programa Reciclar pelo Brasil, a ANCAT já vem realizando treinamentos com suas equipes de técnicos, para orientarem o preenchimento do MTR nas cooperativas que fazem parte da plataforma de logística reversa.

 

No tema da rastreabilidade das latas de alumínio, o presidente da ANCAT também levantou tópicos relevantes a respeito da qualidade da participação dos catadores.

 

"Os números da recuperação de latas de alumínio são muito bons, mas é necessário observar como é a participação dos catadores dentro deste processo. Acredito que seja importante aperfeiçoar a presença da categoria, tanto nos índices de latinhas recuperadas, como nos rendimentos, para que se evite uma atividade precária. É necessário que a rastreabilidade deva ter função ecológica e socialmente correta até a indústria", disse.

 

Após o evento, Rocha celebrou a participação da ANCAT no webinar. ”Esse evento coloca os catadores como protagonistas  do processo da reciclagem e da logística reversa, que é onde eles devem estar", afirmou Rocha. "A Recicla Latas é nossa parceira nessa luta pelo catador. Queremos ser tratados como parte do negócio, como profissionais que somos e não como a parte mais fraca e menos remunerada no processo”, explicou.

 

Quem é a recicla Latas

Parceira da ANCAT, a Recicla Latas foi criada em julho do ano passado, por meio de um termo de compromisso assinado em 2020, em conformidade com a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Dentre seus objetivos estão manter a meta nacional de reciclagem de latinhas de alumínio em 95%, fomentar a educação ambiental da população e investir na capacitação dos catadores.

 A ANCAT parabeniza a Recicla Latas e exalta iniciativas em prol da capacitação e profissionalização do catador(a), que deve ser valorizado(a) como importante parte no processo na gestão de resíduos.